terça-feira, 24 de novembro de 2015

NÚMERO ZERO, Umberto Eco

NÚMERO ZERO, Umberto Eco, Record, 2015, 207 páginas, isbn 978-85-01-10467-0



Tive a impressão de ter, finalmente,  entendido o motivo da bronca de Umberto Eco a Dan Brown, quando foi publicado, dois anos atrás, livro, “O Inferno”. Não sei onde guardei o recorte do jornal ou o  endereço do site (se é que li mesmo). Sei que eram resquícios, rebarbas de uma briga velha, vinda de livros anteriores, desde O Código da Vinci e o Pêndulo Foucault, e agora continuada. Umberto  dizia que Dan teria sido “irresponsável” ao apresentar no seu romance uma sociedade secreta poderosa (o Consórcio) ramificada em vários países. Dan não podia, não tinha dados, a não ser que tivesse espionado os originais de Eco, ainda em elaboração. Ou fosse adivinhão, como diriam no meu povoado de Itabaiana. Ou uma improvável coincidência, dois raios caindo no mesmo lugar ao mesmo tempo.

É desalentador ao escritor (Eco) ver seu grande segredo (trunfo)  furado por outro autor (Dan) assim sem mais nem menos. Teria, agora, que apresentar sua Stay-behind (Gládio)  como matéria requentada, ou rasgar fora seu romance.

 Optou pela primeira hipótese. 

Acabo de ler Número Zero, como li O Inferno há dois anos. Há uma linha de coincidências em ambos por conta, obviamente, do poder onipresente e até certo ponto absoluto  do Consórcio e da Gládio. O livro de Eco, lido depois de ter lido o de Dan, por mim, pareceu parcialmente inspirado no de Dan.

Que injustiça ao professor de Alexandria!

Número Zero é um livro curto, denso. Cada frase é um link à toda cultura acumulada pelo romancista de O Nome da Rosa, Baudolino e muitos outros. Cito duas, a seguir, apenas para ilustrar:

“Na universidade as coisas andam ao contrário do mundo normal, não são os filhos que odeiam os pais, mas os pais que odeiam os filhos (que progridem).”

“Quem quiser vencer deverá saber uma única coisa e não perder tempo sabendo todas, o prazer da erudição é reservado aos perdedores.”

Eco analisa amiúde as malandragens da imprensa. O jornal não foi feito para divulgar, mas para encobrir notícias. Quando for de seu interesse.  Sem omitir o fato crítico, cria cortinas de fumaça para menosprezá-lo, uma manchete que prenda a atenção,  futilidades em volta, plantações de inutilidades.
E não é isso também que acontece no facebook, nas redes sociais?

Quando o administrador se depara com uma postagem que o agride, dispara dez postagens tapías, empurrando a agressora ao fundo do fosso, fora da vista.  E se ameaça cresce, há as armas de defesa a serem ensarilhadas, entre aos quais, os dossiês. Concordo (quem não concorda?) que um dossiê assusta até pela suspeita de que ele possa existir.  A palavra "dossiê"tem força própria, basta-se para apavorar quem deve.

E há quem melhor assuma o perfil de construtor dessa bomba relógio, senão o jornal, a imprensa?

Nem um grande romancista, como Eco, escapa ao ingrediente fatal para o sucesso de um livro: a sedução, cama. E Maia cai no papo de Collona, uma casa de campo, uma alcova de praxe, um  tempero bem vindo à árida leitura. E mesmo que não fosse tão árida assim!                                                                                      
Dentro do romance nasce, cria-se e toma conta do romance original, outro romance, desta vez histórico ou com viés. Os últimos dias de Mussolini,  no final da guerra e quarenta anos depois dela. Bragadócio, o jornalista investigativo, morre esfaqueado. O Stay-behind ou o Gládio (se é que não sejam a mesma sociedade secreta)  ressurge das cinzas e age como agiu o Consórcio em Dan Brown, sem medo de punir. Eu pouco sabia sobre Mussolini, ocupei-me, em toda a vida, com Hitler e as atrocidades alemãs. Perdi muito, todos perdemos.  Pelo menos foi a impressão que retive após a leitura de Número Zero.

Mussolini tinha seu valor e não poderia jamais ser relegado ao esquecimento.

Fui atingido em cheio (talvez precise me esconder em um local incógnito)  nesse trabalho  que faço aqui, construir resenhas.
Quem as lê? 
Quem ler os livros que indico?

Talvez nem os autores resenhados.  “Olhando certos livros, parece que nem os autores os leram.”  
Se não lêem os livros (sejam autores ou não) quanto mais as resenhas sobre eles!                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             


Nenhum comentário:

Postar um comentário